STJ decidiu, por unanimidade, soltar Carlos Arthur Nuzman (AP)/ Yahoo Esportes

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu, por unanimidade, soltar Carlos Arthur Nuzman, 76 anos, ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro. A informação é do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.
Ele deve cumprir medidas cautelares, como entregar seu passaporte e está proibido de manter contato com os demais investigados

Nuzman está preso desde o dia 5, no Rio, sob suspeita de ter feito a “ponte” entre o esquema de corrupção do governo Sérgio Cabral (PMDB) e os membros do COI na escolha do Rio, em 2009, para receber os Jogos.

A decisão foi tomada pelos ministros Maria Thereza de Assis Moura, Sebastião Reis, Rogerio Schietti e Nefi Cordeiro. Eles entenderam que a prisão de Nuzman era medida desproporcional em relação às imputações da denúncia. O ministro Antonio Saldanha não participou do julgamento.

Nesta quarta (18), o MPF (Ministério Público Federal) no Rio denunciou Nuzman, o ex-diretor da Rio-16 Leonardo Gryner e o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) pelo caso da suposta propina paga pela eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016. Eles são acusados de organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Além do grupo, também foram denunciados o empresário Arthur César de Menezes Soares e os senegaleses Lamine Diack, membro do COI (Comitê Olímpico Internacional) supostamente subornado, e seu filho Papa Massata Diack.