Marcelo Ninio/ Washington, EUA, Folhapress

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou decreto nesta quarta (25) determinando a construção de um muro na fronteira com o México para impedir a entrada de imigrantes ilegais, uma de suas principais promessas de campanha. Segundo Trump, as obras começarão dentro de alguns meses. Afirmou que inicialmente o muro será financiado pelo contribuinte americano, mas que posteriormente o México pagará pelo projeto, outra de suas promessas de campanha.

O governo mexicano já reiterou que não assumirá os custos do muro, que podem chegar a até US$ 20 bilhões para cobrir os 3,2 mil quilômetros de extensão da fronteira. Em entrevista à rede ABC, Trump disse que a construção terá início assim que for “fisicamente” possível. “Eu diria que em meses”, estimou. “Certamente o planejamento começa imediatamente”.

O presidente não explicou como o México pagará pelo muro, negando que ele colocará os países vizinhos em rota de colisão. “Haverá um pagamento, talvez de uma forma complicada. O que estou fazendo é bom para os EUA. Também será bom para o México. Queremos ter um México muito estável e sólido”, disse na entrevista.

O presidente assinou nesta quarta outro decreto destinado a aumentar a repressão aos imigrantes legais, tendo como alvo as chamadas “cidades santuário”, em que eles são protegidos de deportação. A ordem é aumentar o número de centros de detenção e cortar os recursos federais a essas cidades, a maioria governada pela oposição democrata.

“O povo americano não vai mais ser forçado a subsidiar esse descaso com nossas leis”, disse o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer. Os dois decretos foram assinados durante uma visita do presidente ao departamento de Segurança Interna, Nos próximos dias o presidente deve tomar mais medidas de restrição à imigração que afirma serem necessárias para aumentar a segurança do país. Entre elas, decretos para limitar a entrada de refugiados e bloquear a emissão de vistos a pessoas de vários países de maioria muçulmana, incluindo Síria, Sudão, Somália, Iraque, Irã, Líbia e Iêmen.