Bahia Notícias 

O ex-prefeito de Juazeiro, Joseph Wallac Faria Bandeira foi condenado pela Justiça Federal em duas ações penais propostas pelo Ministério Público Federal (MPF). Em cada processo, o réu foi condenado a três meses de detenção, perda de cargo público ou inabilitação por cinco anos para o exercício de cargo ou função pública.

A decisão é da juíza federal da Subseção de Juazeiro Andréa Marcia Almeida. O ex-prefeito firmou com a União Federal, por intermédio Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome dois convênios para implantar em Juazeiro o "Projeto Sentinela" do Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente contra a Prostituição Infantil.

Para a execução do projeto, foram destinados recursos federais nos valores de R$ 117 mil e R$ 78 mil não tendo o ex-gestor prestado contas da aplicação da verba. Em Tomada de Contas Especial do TCU, o réu não apresentou defesa nem devolveu aos cofres públicos os valores cuja prestação de contas foi sonegada.

Com as contas julgadas improcedentes, o réu foi condenado a ressarcir integralmente os valores passados ao município, além de pagamento de multa de R$ 5 mil e R$ 10 mil. "A suposta desordem, pela gestão municipal seguinte, na guarda dos documentos necessários à prestação de contas, caso fosse comprovada, não beneficiaria o réu, porquanto a responsabilidade pela guarda de tais documentos até o término da legislatura 2001/2004 era atribuição de sua gestão, não podendo alegar fato de terceiro por obrigação que lhe incumbia, nos termos da legislação aplicável", disse a juíza. Para a juíza, "o recebimento do título 'Prefeito Amigo da Criança' não funciona, na espécie, como excludente de culpabilidade, em face da tentativa da defesa de comprovar que não houve dano ao erário, uma vez que os recursos foram devidamente aplicados no Projeto Sentinela."

 

A Tarde

O ex-deputado federal Afrísio de Souza Vieira Lima, 86 anos, morreu na noite deste domingo, 10. Os filhos do ex-parlamentar, o presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, e o deputado federal Lúcio Vieira Lima, lamentaram a morte do pai pelas redes sociais.

Afrísio nasceu na cidade de Remanso. Ele foi deputado federal por dois mandatos entre 1975 e 1983, além de ter sido eleito vereador de Itaquara entre 1963 e 1967.
O corpo do ex-parlamentar é velado no Cemitério Campo Santo, na Federação. Será realizada uma missa às 15h30 e o corpo será enterrado às 16h30.

 

por Biaggio Talento e Rodrigo Aguiar/ A Tarde

No dia 10 de janeiro de 1912, há exatos 104 anos, portanto, a política baiana vivia um dos seus momentos mais traumáticos: o bombardeiro do centro de Salvador pelos fortes de São Marcelo, São Pedro e Barbalho, iniciado por volta das 13h40. O ataque, motivado por um impasse político entre os grupos que disputavam o controle do estado, foi comandado pelo general Sotero de Menezes, autorizado pelo presidente Hermes da Fonseca e apoiado pelo ministro da Viação J.J.Seabra, que buscava ascender ao posto de governador da Bahia, o que ocorreria naquele mesmo ano, apesar da ampla repercussão que o bombardeiro provocou em todo o Brasil.

Seabra tinha como adversário, na época, o senador Ruy Barbosa e a briga dos dois caracteriza a desarmonia dos políticos baianos ao longo da história e sua luta pelo poder. O bombardeio e os conflitos registrados nos dias seguintes provocaram um número de mortes nunca conhecido. Vários prédios da Praça Municipal foram atingidos, como o Palácio Rio Branco e a Biblioteca Pública, onde milhares de livros e documentos históricos viraram cinzas.

Seinfra 

O dia 31 de agosto de 1917 representa o marco inicial do rodoviarismo baiano. Naquela foi criado o embrião do Derba, com a aprovação da Lei nº 1227 que estabeleceu meios, normas e condições para a construção de estradas, ligando os centros produtores aos mercados consumidores, por mar, rios navegáveis e ferrovias, num modelo de intermodalidade. Muitos anos depois, a Lei nº 2513, de 02 fevereiro de 1968, de autoria do deputado estadual Gabino Kruscheweski, transformaria o 31 de agosto no Dia do Rodoviário Baiano. A partir daí, desta data passou a marcar simbolicamente o nascimento do Derba.

O rodoviarismo baiano surgiu da preocupação do então governador Antonio Muniz Ferraz de Aragão de implantar meios modernos de transportes, com o advento dos novos veículos automotores e a obsolescência dos meios tradicionais de locomoção, como o lombo-de-burro e o carro-de-boi, além da expansão das fronteiras agrícolas que exigia o escoamento da produção por novas e melhores estradas. O governador Muniz de Aragão determinou que seu secretário de Agricultura, Indústria, Comércio, Viação e Obras Públicas, engenheiro J.A. Pedreira Franco se reunisse com representantes dos produtores para discutir a criação de um órgão público para gerir os negócios do setor rodoviário.

A primeira rodovia construída na Bahia foi a Salvador-Feira de Santana, ligando o porto da capital ao interior, com o projeto dispondo de 300 contos de réis para o início das obras. Em 11 de agosto de 1919 foi definida a construção de uma estrada ligando o Porto de Ilhéus a Itabuna, para facilitar o escoamento do cacau. O próximo passo da política de construção rodoviária foi a criação da Caixa de Estradas e Rodagens, em 13 de agosto de 1920, com recursos de dotação orçamentária, contribuições municipais, impostos sobre instalações hidroelétricas, pedágios, dádivas e legados.

A partir daí, houve uma espécie de boom rodoviário no Estado. Em 28 de agosto de 1925 a Caixa foi transformada na Secção de Estradas de Rodagem. Naquele período a Bahia já contava com mais de 100 km de rodovias tecnicamente construídas e de uma grande extensão de caminhos carroçáveis, cuja manutenção exigia um órgão técnico especializado e administrativamente mais avançado. Depois, a Secção virou a Diretoria de Estradas de Rodagem.

Em 1932, a Diretoria assinou convênio com o Instituto do Cacau da Bahia para a construção de 800 km de estradas na Região Cacaueira, ligando as áreas produtoras aos pontos de embarque e ao Terminal Ferroviário de Jequié. Um novo salto veio com o Primeiro Plano Rodoviário de Estado, aprovado em 19 de janeiro de 1935, durante a realização do V Congresso Nacional de Estradas de Rodagem, que definiu as prioridades para a construção de estradas.

Depois do Plano chegaram os primeiros equipamentos para a construção de estradas, tratores, carregadeiras, motoniveladoras, compactadores e scrapers. Porém, o maior impulso para o setor veio em 1946, om a chamada Lei Joppert, de autoria do deputado federal Maurício Joppert, que criou o Fundo Rodoviário Nacional (FRN) dotado dos recursos necessários ao custeio e execução dos serviços federais, e os Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagem.

Por muitos anos, o FRN – decorrente do imposto único sobre combustíveis líquidos, gasosos e lubrificantes – destinou 60% dos recursos aos Estados, Municípios e Distrito Federal e os demais 40% ao criado em 1945. A mesma lei previa a criação de órgãos estaduais de estradas e rodagens. Assim, através do Decreto-Lei nº 816 de 12 julho de 1946 foi criado o Departamento de Estradas e Rodagens da Bahia (Derba). O FNP permitiu ao Derba construir os grandes estirões, como a conclusão da antiga BA 02, base da BA-05, hoje BR- 101, o início do trecho da BR-116, partindo de Feira de Santana para Jequié, a BR.242, na direção Leste/Oeste, até Ibotirama e depois até Barreiras, nas barrancas do Rio São Francisco.

AS FASES DO DERBA

A história do Derba está dividida nas seguintes fases:

Nascimento: A criação da Lei Nº 1227, de 31 de Agosto de 1917

Crescimento: De 1925, quando já havia mais de 100 km de rodovias construídas, passando pela implantação da Caixa de Estradas de Rodagem, depois Secção e, em seguida, Diretoria de Estradas de Rodagem, até a criação do FRN e do Plano Rodoviário nacional.

Fase Áurea: Dos anos 1950 ao começo dos anos 1970. Neste intervalo o Derba implantou a Oficina Central (Parque Rodoviário de Águas Claras), o primeiro Laboratório de Solos (em São Caetano), construiu a primeira sede da Administração Central, o Largo dos Aflitos, em Salvador; construiu as sedes das Residências de Manutenção e Conservação; construiu e asfaltou a rodovia Feira de Santana-Juazeiro; deflagrou a “Operação Manda-brasa”, de desbravamento do extremo-sul, conectou a BR-116 a Br-101, ligando Jequié a Ipiaú e, mais tarde, esta a Ubaitaba; construiu um estirão de 437 km, ligando a BR-242 à BR-116, de Argoim a Ibotirama; pavimentou o trecho que vai de Alagoinhas a Ribeira do Pombal e, depois, até Cícero Dantas. Ainda nesta fase, o convênio com a USAID (a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional) assegurou uma patrulha mecânica completa para cada Residência e a instalação de um completo e moderno Laboratório Central, destinado ao controle e à pesquisa tecnológica de solos, asfalto e concreto.
A crise do petróleo e a recessão: Com a crise internacional do petróleo, iniciada em 1971, as atividades da indústria automobilística sofreram redução e, em consequência, o FRN passou a ter outras prioridades, o que resultou na decadência dos DERs. Com todas as dificuldades, o Derba executou importantes projetos, de 1971 a 1989, dentre eles: a BA-052, a Estrada do Feijão, ligando Feira de Santana a Xique-Xique; a BA-001, Nazaré-Bom Despacho; o conjunto de rodovias vicinais na Região Cacaueira; estendida ao vale do Jiquiriçá às fronteiras de Mucuri (na divisa com o Espírito Santo), perfazendo quase 1 mil km; a BA-120, ligando Conceição do Coité a Monte Santo, passando por Valente, santa Luz, Queimadas e Cansanção, conhecida por Rodovia do Sisal; a ligação Brumado-Ilhéus, composta pelas Rodovias BA-262, BA-263 e BR-415 e o trecho Ilhéus-Una-Canaveiras da BA-001.
O programa de metas para a pavimentação de 4 mil km de rodovias num curto espaço de tempo, o Programa de Corredores Rodoviários da Bahia, que custou quase US$ 300 milhões, sendo 49,1% financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e 50,9% de contrapartida estadual.

Seu principal objetivo foi pavimentar 1.350 km de rodovias, ligando a nova fronteira agrícola, região oeste na margem do rio São Francisco aos Portos de Salvador e Aratu. Posteriormente, a meta foi ampliada para mais de 3 mil km para atender a produção de grãos do cerrado. Com recursos do estado, foi construída a Linha Verde, rodovia ecológica ligando o litoral norte – 147 km de praias – á fronteira com Sergipe. Merecem também destaque ´`as ligações Santa Cruz de Cabrália-Belmonte, na Costa do Descobrimento; Ihéus-Serra Grande-Itacaré, na Costa do Cacau; Andaraí-Mucugê-Barra do Estiva e Brumado-Rio de Contas, na Chapada Diamantina; além Ibotirama-Igarité-Estreito-Barra, às margens do rio São Francisco.

O Derba atual: Através da lei Nº 7.314, de 19 de maio de 1998, o Derba passou a se chamar Departamento de Infraestrutura de Transportes da Bahia, vinculado à Secretaria de Infraestrutura do Estado da Bahia (Seinfra), tendo como atribuições a construção e a administração dos terminais rodoviários, hidroviários e aeroviários do Estado. Tudo isso contando com uma rede de 20 mil km de rodovias estaduais e apoinado a conservação dos sistemas municipais, com aproximadamente 90 mil km, distribuídos numa área de 560 mil km².

A extinção: O Derba foi extinto em 28 de fevereiro de 2015, no pacote da reforma administrativa do governador Rui Costa, aprovado em dezembro de 2014, pela Assembleia Legislativa da Bahia. Para o seu lugar foi criada a Superintendência de Infraestrutura de Transportes (SIT), órgão vinculado à Seinfra, que sequer foi ainda regulamentado.

 

“Guardadas as proporções, as energias renováveis representam a terceira grande onda de crescimento econômico da Bahia. A primeira, na década de 1970, se deu com a petroquímica. A segunda, nos anos 1980, com a indústria automobilística, e a atual, que tem a vantagem de promover a desconcentração industrial e a inclusão social, levando riqueza para o interior e às populações mais pobres do Estado”, afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jorge Hereda, durante a abertura do VII Fórum Nacional Eólico/Carta dos Ventos, realizado nos dias 24 e 25 de novembro de 2015 no Senai/Cimatec, em Salvador.

Também participaram da solenidade de abertura do evento os secretários de Mineração, Petróleo e Energias Renováveis do Piauí, Luiz Coelho, e de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte, Otomar Cardoso Junior; a presidenta da Abeólica, Elbia Gannoum, e o diretor-geral do Centro de Estratégias em Recursos Naturais (Cerne), Jean Paul Prates.

Eólica - Terceiro maior produtor de energia eólica do Brasil, a Bahia já contabiliza R$ 22,7 bilhões em investimentos no setor de energias renováveis. Em eólica são R$ 18,5 bilhões investidos em 186 usinas, com 4,5 GW de potência, distribuídas em 22 municípios da região semi-árida.

Solar - Quanto à solar, são mais R$ 4,2 bilhões para 32 empreendimentos em cinco municípios e 893 MW de potência.

Em consonância com o diretor do Operador Nacional do Sistema Elétrico, Saulo Cisneros, Hereda defendeu uma maior participação do setor bancário, especialmente com o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), e Banco do Brasil (BB), além das instituições do setor privado no financiamento das energias renováveis.

A edição 2015 do Fórum Nacional Eólico teve como foco a expansão dos parques eólicos e o novo mapa da geração eólica no Brasil. Anualmente, governos e empreendedores analisam e atualizam a Carta dos Ventos, um documento de intenções e pleitos ao redor do qual gravitam as principais questões estratégicas para o pleno desenvolvimento do setor eólico.

“A energia eólica no Brasil prosperou além das mais otimistas projeções e se consolidou com uma fonte de grande relevância na matriz energética nacional. Em maio de 2015, o País passou a marca de 6 mil MW em usinas eólicas instaladas e conectadas à rede nacional. Bahia, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Ceará são Estados com mais de 1.000 MW instalados e um extraordinário crescimento se projeta para o Piauí e o Maranhão”, afirmou, na ocasião, o diretor-geral do Centro de Estratégias em Recursos Naturais (Cerne), Jean Paul Prates.

O Brasil subiu para a quarta posição no ranking mundial de expansão de potência na energia eólica em 2014. Já no quesito eficiência, o Brasil está liderando a corrida mundial, conseguindo um fator de capacidade de 37% em 2014, uma vez e meia o indicador mundial.

Também saltou cinco posições no ranking mundial de capacidade instalada. Agora, ocupa o 10º lugar em geração, tendo sido o 15º em 2013. Os dados integram o boletim “Energia Eólica no Brasil e Mundo- ano de referência 2014”, produzido pelo Ministério de Minas e Energia (MME) do governo federal.

 

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, Manoel Mendonça, participou nesta quinta-feira (17), na Serin, de audiência com o secretário Josias Gomes. Ele esteve acompanhado por Sócrates Santana, assessor de articulação institucional, Cláudio Silva, coordenador de articulação, e Grinaldo Oliveira, também integrante da pasta.

Segundo Mendonça, o objetivo da reunião foi o de mostrar a Josias Gomes os projetos de Tecnologia da Informação (TI) que serão implantados nos municípios da Bahia. “Apresentamos o projeto que prevê levar acesso à Internet via Banda Larga para as escolas da rede estadual de ensino”, explica Manoel Mendonça.

O secretário destaca, ainda, o programa Praças da Ciência, que será implantado em 40 municípios baianos. Ele já funciona em 10 municípios: Muritiba – o pioneiro, inaugurado em novembro de 2014 -, Mulungu do Morro, Caém, Caetité, Irecê, América Dourada, Maetinga, Brumado, e Biritinga.

A 10ª unidade é a Praça da Ciência Luiz Gregório de Andrade de Aurelino Leal, inaugurada terça-feira (15), com a presença de Josias Gomes, da prefeita Elisângela Ramos Andrade, e de Roberto de Pinho, chefe de Gabinete, representando o secretário Manoel Mendonça.

Ele informa que 14 novas Praças da Ciência serão inauguradas em breve nos municípios de Juazeiro (duas praças), Nova Canaã, Condeúbas, São Miguel das Matas, Muquém do São Francisco, Senhor do Bonfim, Catu, Oliveira dos Brejinhos, Piatã, Palmeiras, Uauá, Araci, e Mucuri.

Banda Larga – Manoel Mendonça diz que o projeto da Rede de Banda Larga vai significar um grande avanço para a Bahia. A transmissão gratuita de dados com muito mais velocidade, vai permitir que um número maior de usuários estejam permanentemente conectados à web, proporcionando ainda independência do Estado em relação às empresas privadas fornecedoras desse serviço.

O projeto prevê infraestrutura de rede de alta velocidade que propicie um ambiente favorável ao desenvolvimento socioeconômico do Estado. Ele é um posicionamento frente aos desafios de estender, pelo vasto território baiano, uma rede de fibras óticas, fornecendo ao governo do Estado, aos municípios e à sociedade, os meios para interconectar-se de forma eficiente com custos progressivamente decrescentes.

Para permitir a alta disponibilidade e resiliência da rede, garantindo uma conectividade de dados com qualidade, é necessária a construção de backbone (rede de transporte) óptico composto de dois anéis de fibras ópticas e dois segmentos radiais, com instalação de sistema de rádio nos Pontos de Presença (POP) – estações onde serão abrigados os equipamentos que permitirão a interligação de outras redes ao backbone.

Um grupo seleto de policiais militares atua, há um ano, na Bahia atendendo situações que envolvem altíssimo risco a vidas e à coletividade. Criado em 9 de dezembro de 2014, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Bahia é utilizado em situações específicas para os quais os 72 homens que compõem a tropa são treinados, com atiradores de precisão, paraquedistas, mergulhadores, esquadrão antibombas e outras funções complexas. Sediado no município de Lauro de Freitas, em Salvador, o Bope baiano conta com uma estrutura que permite o treinamento e constante preparação dos policiais militares.

Apesar de ter sido criado há apenas um ano, as atividades desenvolvidas pelo batalhão já existiam dentro da Polícia Militar da Bahia há pelo menos três décadas, de acordo com o comandante do Bope, o tenente-coronel Paulo Coutinho. “Há muitos anos nossa polícia já era treinada para essas operações especiais, mas, como é natural quando há o crescimento da atividade, com a criação e formação do batalhão, podemos nos concentrar na seleção dessa tropa e no treinamento que exige muito do policial física e psicologicamente. Isso porque somos agentes que precisam estar preparados para lidar com a pressão, com o perigo, com a complexidade nas ações para as quais somos chamados”, explicou o tenente-coronel.

Para chegar ao Bope, os policiais militares precisam passar por um curso preparatório que dura cerca de seis meses e que tem como média de aprovação entre 15% e 25% dos que decidem começar nas aulas. Entre as habilidades desenvolvidas, tiros com armas curtas, submetralhadores, aptidão física para ultrapassar diversos obstáculos, desarmar artefatos explosivos, ações antiterrorismo, cumprimentos de mandatos de prisão de pessoas que oferecem alta periculosidade, segurança de grandes eventos, além de outras habilidades.

O Batalhão já atuou em diversos chamados para prestar reforço a outras unidades da PM, em casos de explosões de caixas eletrônicos, quando há vestígios de explosivos, e ainda na varredura de hotéis e locais de grandes eventos, como na realização do jogo da seleção brasileira na Arena Fonte Nova. Funções que, apesar de discretas e longe dos olhares da população, são de fundamental importância para a segurança pública.

Para o comandante, o balanço do primeiro ano é positivo e um novo curso para formação de novos “caveiras”, como são conhecidos os policiais do Bope, deve começar no início de 2016 para reforçar ainda mais a tropa. “Estamos felizes e avaliando positivamente nosso trabalho nesse primeiro ano. Estamos aqui abnegados para cumprir a nossa missão sempre e proteger a sociedade a qualquer custo, mesmo com o risco às nossas próprias vidas”, destacou o tenente-coronel Paulo Coutinho.

 

 

Diante do surgimento de novos focos de incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada Diamantina, o Governo do Estado, através do programa Bahia Sem Fogo, continua atuando com equipes compostas por Bombeiros Militares, técnicos da Secretaria do Meio Ambiente / Inema e utilização de quatro aviões tanque e dois helicópteros e veículos tracionados (4×4). Também foi mobilizado junto ao Corpo de Bombeiros o envio, nesta segunda-feira, de mais 40 bombeiros militares para reforçar as ações de combate na Chapada Diamantina. Outros 19 integrantes da corporação já foram deslocados para a região neste final de semana.

As equipes envolvidas na Operação Bahia Sem Fogo, coordenada pela (Sema) e executada pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), estão concentradas no monitoramento e combate de focos no Vale do Capão, Ibicoara e Pindobaçu. “Com o trabalho intenso das brigadas e as chuvas que caíram nos últimos dias, conseguimos controlar o incêndio próximo a Gruta do Lapão, no município de Lençóis”, pontuou a coordenadora do Bahia Sem Fogo e perita em incêndios florestais, Fabíola Cotrim.

“Nossas equipes atuam em apoio ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão federal responsável pela gestão do Parque, bem como toda a estrutura (aeronaves, equipamentos e veículos) que está sendo utilizada para fortalecer as ações de combate, como o transporte dos brigadistas voluntários aos locais mais distantes” destacou Cotrim.

A aproximação de uma frente fria que passou pelo Sudeste do país, associada ao calor e a umidade vinda da Amazônia, contribuiu para o aumento da nebulosidade e ocorrência de chuvas pontuais nos municípios de Lençóis e Piatã. “A alta nebulosidade ocasionou um aumento de descargas elétricas (raios) na região. Como houve pouca ocorrência de chuvas, existe a possibilidade destes raios, incidindo em áreas de vegetação mais seca, terem provocado o início de novos focos”, explicou o meteorologista do Inema, Heráclio Alves.

 

A presidente estadual do PSB, senadora Lídice da Mata, afirmou nesta quinta-feira (3), durante encontro nacional do partido em Brasília, que a sigla terá candidatos em praticamente todas as cidades baianas com mais de 50 mil habitantes. O assunto será discutido em âmbito local na próxima sexta-feira (11), durante o Encontro de Formação Política do PSB Bahia, que será realizado na sede da União dos Municípios (UPB), no Centro Administrativo, a partir das 8h.

“Teremos candidaturas em Feira de Santana (segundo maior colégio eleitoral da Bahia), que há muito tempo não tínhamos, Vitória da Conquista, Alagoinhas, Luiz Eduardo Magalhães, Ilhéus, Itabuna, Barreiras, Santa Maria da Vitória. São regiões que não estávamos presentes e que vamos estar em 2016”, contou Lídice.

A senadora reiterou que outra meta é reeleger os prefeitos que estão no exercício do mandato, à exceção dos que já estão na segunda eleição. Atualmente o partido conta com 26 chefes de executivo em todo o Estado. “Nós temos prefeitos que são referência administrativas em suas regiões como Wilson Cardoso, de Andaraí, que é um destacado líder na Chapada Diamantina”, disse.

foto Carlos Santana / FBF

A Copa Governador do Estado é do Fluminense de Feira de Santana! Presente em mais uma final da competição, assim como aconteceu em 2009, o Touro do Sertão confirmou o favoritismo neste sábado (28) e levantou a taça de bicampeão.

Diante de mais uma festa bonita nas arquibancadas da Arena Fonte Nova, o também bicampeão baiano, voltou a vencer a partida por 1x0, porém desta vez com gol de Rafael Granja na segunda etapa. O número 10, além de ser o nome da partida, se tornou o artilheiro tricolor na competição. O Flu ainda levou pra casa o troféu de melhor arqueiro.

Segundo o presidente do clube, Gerinaldo Costa, em contato com o site da FBF, garantiu que a definição para o acesso para a Copa do Brasil ou Série D de 2016, acontecerá na próxima segunda feira (30). Vale lembrar que a equipe já disputou as duas competições, sendo 2010 a última participação na série D.
Por outro lado, o dirigente enalteceu o profissionalismo do grupo nesta temporada e ficou feliz com mais um caneco “Predestinação, dedicação e obstinação resumem esse título. O comprometimento de todos prevaleceu “ finalizou.

Após apito final, a Federação Bahiana de Futebol, através do presidente Ednaldo Rodrigues, do vice-presidente, Ricardo Nonato, da diretora técnica Taíse Galvão, do presidente do CEAF-BA, Wilson Paim, do sub-diretor Marcelo Araújo e funcionários da entidade, realizou a entrega dos troféus e medalhas ao campeão e vice-campeão da competição. A taça levou o nome de “Reginaldo Lima Barbosa”, funcionário do Flu de Feira.

A FBF, através de sua diretoria e funcionários parabenizam o Fluminense de Feira Futebol Clube, seus atletas, comissão técnica e diretores por mais um título estadual de grande importância.

Patrícia França/ A Tarde

O ex-governador da Bahia Antonio Lomanto Júnior, que iria completar 91 anos no próximo domingo, morreu na noite desta segunda-feira, 23, no Hospital Português, onde estava internado há 45 dias, devido a complicações renais.

O corpo de Lomanto Júnior será velado no Palácio da Aclamação (Av. Sete de Setembro, ao lado do Passeio Público), nesta terça, 24.

O corpo será trasladado para o município de Jequié, sua terra natal, e será velado na quarta-feira, 25, na Catedral de Santo Antônio. O enterro está marcado para o mesmo dia, às 17 horas, no Cemitério São João Batista.

Avô do deputado estadual Leur Lomanto Junior (PMDB), o ex-governador Lomanto Júnior começou a carreira política em 1946, como vereador de Jequié, no sudoeste do estado.

Foi prefeito da cidade, alcançando projeção ao levantar a bandeira do municipalismo, fato que o levou a conquistar o governo do estado no ano de 1962, sendo eleito o governador mais jovem da história da Bahia, aos 37 anos.

Lomanto Júnior também foi deputado estadual, deputado federal e senador da República, entre 1979 a 1987. Ele encerrou a trajetória na política como prefeito de Jequié, no final dos anos 1990.

Durante o mandato de governador, Lomanto respondeu pela implantação do Centro Industrial de Aratu e, em Salvador, reconstruiu o Teatro Castro Alves e construiu a Avenida Contorno.

Também inaugurou estradas importantes na Bahia, como as ligações com a BR-101, e eletrificou todo o Estado, integrando os Sistemas Paulo Afonso e Funil.
Lomanto deixa a esposa, Hildete, cinco filhos (Lomanto, Leur, Lilian, Tadeu e Marco Antonio), dez netos e dez bisnetos.

Acontece até este domingo (15) na capital baiana, a Conferência Estadual do PCdoB com o tema "Em Defesa da Democracia e dos Direitos Sociais". Na oportunidade participam do encontro o presidente do diretório municipal de Jacobina, Dayvid Sena, o vereador Carlinhos da Caixa, e Zélia da Jacobina II.

O evento é prestigiado por figuras políticas de outros partidos, a exemplo do Ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e do vereador de Salvador, Waldir Pires. É esperado para este domingo, também, o governador da Bahia, Rui Costa.

Vereador Carlinhos da Caixa, Deputado Estadual Bobô, e Zélia da Jacobina II

A Bahia saiu vitoriosa do segundo Leilão de Energia da Reserva (LER/2015), realizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), nesta sexta-feira (13), com 18 novos projetos eólicos e seis fotovoltaicos. Vencedora de 24 dos 53 projetos, a Bahia terá capacidade para gerar 662 MW de potência a partir de 2018.

De acordo com o secretário estadual de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, o processo de diversificação de fontes energéticas está sendo intensificado e os novos projetos vão expandir o potencial de geração de energia renovável no estado. “Este resultado é fruto do trabalho para consolidar a Bahia como maior geradora de energia renovável do País”. Segundo ele, com a conclusão do mapa solar, em fase de elaboração, será possível impulsionar ainda mais investimentos para o setor.

Serão destinados cerca de R$ 3 bilhões na construção dos novos empreendimentos de energia eólica e solar. Atualmente a Bahia possui 44 parques eólicos em funcionamento, outros 41 em construção e 125 contratados. Já empreendimentos solares somam 14 em andamento e dois grandes projetos em funcionamento.

Durante o leilão foram negociados 1.477,54 MW de potência, totalizando 53 projetos que deverão iniciar o fornecimento de energia elétrica no País a partir de novembro de 2018. No primeiro leilão deste ano, a Bahia foi vencedora com 12 projetos solares, seguido pelo Piauí (nove projetos), Minas Gerais (cinco), Paraíba (três) e Tocantins (um), totalizando a potência de 833,8 MW.

A Frente Parlamentar Ambientalista da Bahia, composta por parlamentares, entidades da sociedade civil, Ministério Público e estudantes, realizou nesta segunda-feira (09), na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBa), uma audiência pública para debater as normas e procedimentos para licenciamento de usinas eólicas de geração de energia.

De acordo com o presidente da Frente, deputado Marcelino Galo (PT), o Estado da Bahia vem se transformando em um grande produtor desse tipo de energia. “Precisamos debater pra desenvolver. Nosso Estado já é o segundo e tende a ser o primeiro produtor dessa energia, que é uma boa alternativa às energias não renováveis”, afirma o deputado, ao lembrar a importância do debate em um momento em que estamos vivendo um processo de profunda discussão sobre um modelo de licenciamento ambiental no Brasil. “É importante que a Casa Legislativa discuta esse assunto para podermos encaminhar o resultado ao Executivo”, completou.

Para o Secretário de Meio Ambiente do Estado, Eugênio Spengler, a discussão deve ser feita a partir de ganhos em relação a um dos principais itens da pauta ambiental nos dias atuais, que é a questão das mudanças climáticas e os efeitos desse processo sobre o ambiente como um todo. “De 2009 pra cá, ou seja, nos últimos 6 anos, onde começa a ter maior efetividade e maior geração de energia eólica no Brasil, já economizamos mais de 6 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera”, ressalta.

A promotora Cristina Seixas, do Ministério Público do Estado, alerta que a energia eólica deve vir assegurando todos os controles de qualidade ambiental e social, garantindo a regularização fundiária das pessoas que estão na região. ”As pessoas não podem ser retiradas das suas terras e as comunidades tradicionais de fundo de pasto precisam ser protegidas. Queremos que a energia eólica e solar venham, pois são energias boas, mas com essas garantias para que daqui há algum tempo não tenhamos impactos que sequer imaginávamos que poderia ter”.

O Brasil é hoje o 10º colocado no ranking mundial das maiores capacidades instaladas no mundo, estando próximo de países como a Itália e Suécia. Em 2014, o país foi o 4º colocado no mundo em novas capacidades instaladas, perdendo apenas para a China, e ficando perto da índia, que é considerado um grande destaque nas instalações de potências eólicas. Atualmente o Brasil tem 8.1 GW de potência eólica instalada, sendo 6.4 GW na região nordeste. Esse crescimento tende a se manter, com previsão para terminar o ano de 2016 com praticamente 13 GW potência eólica instalada.

Treze municípios do Extremo Sul baiano avançam na criação do primeiro consórcio de saúde do estado. O compromisso foi formalizado a partir da assinatura do protocolo de intenções para a constituição da entidade, na tarde desta quinta-feira (5), em cerimônia realizada no Salão de Atos da Governadoria, com a participação do governador Rui Costa e do secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas.

Os consórcios propõem um novo modelo de financiamento e gestão dos serviços de saúde com o objetivo de ampliar e descentralizar a assistência, ajudando a reequilibrar as finanças municipais. "É um marco histórico na saúde pública da Bahia, um passo importante para inverter a lógica do 'cada um por si e Deus por todos' nos serviços de saúde do estado. Estamos substituindo este modelo pelo planejamento que permite enxergar a saúde [de modo] estadual e regionalmente", disse Rui

Os municípios de Teixeira de Freitas, Caravelas, Ibirapuã, Itamaraju, Itanhém, Jucuruçu, Lajedão, Vereda, Prado e Nova Viçosa, Alcobaça, Medeiros Neto e Mucuri formam o consórcio do Extremo Sul. A implantação depende agora de aprovação em Assembleia Geral, do regimento e da eleição do Presidente. Depois, serão firmados os contratos de programa e de rateio.

Regionalização

Regulamentados por meio de lei estadual sancionada pelo governador em setembro, os consórcios passam a ficar responsáveis pela gestão regionalizada de serviços, como unidades de pronto atendimento, laboratórios regionais e, eventualmente, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), além de hospitais municipais.

No modelo, o Estado fica responsável pela construção e aquisição dos equipamentos das unidades, além de cofinanciar até 40% da manutenção, enquanto os municípios consorciados irão ratear o restante. Os consórcios vão ficar responsáveis pela gestão das 28 policlínicas construídas pelo Governo do Estado, com até 13 especialidades, 32 serviços e equipamentos - a exemplo de tomógrafos e de ressonância magnética - para rastreamento de câncer de mama e outros exames. A primeira policlínica será construída em Teixeira de Freitas, na antiga área do Derba.

 Bahia Notícias

A organização criminosa que utilizava entidades sem fins lucrativos para sonegação de impostos e lavagem de dinheiro pode ter desviado mais de R$ 90 milhões dos cofres das prefeituras envolvidas. Além disso, segundo estimativa da Polícia Federal, ao menos R$ 85 milhões de impostos e contribuições previdenciárias deixaram de ser recolhidos. O esquema foi alvo da Operação Infecto, deflagrada nesta quinta-feira (5), e que cumpriu dez mandados de busca e apreensão nos municípios baianos de Juazeiro, Jacobina, Valença, Salvador, além de Petrolina, em Pernambuco. De acordo com a PF, as prefeituras firmavam termos de parceria com Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) investigadas, constituídas fraudulentamente em nome de laranjas e testas de ferro, com a dispensa irregular de licitação ou mediante processo seletivo simulado. Em troca de repasse de verbas públicas, as Oscip responsabilizavam-se pela prestação de um determinado serviço ou apenas pela mera contratação indireta de mão de obra, atividades estranhas à natureza das entidades. As investigações apontam que o desvio da verba pública variava entre 10 e 20% do valor do termo de parceria executado, por meio de cobrança de “taxa de administração”, superfaturamento de despesas ou mesmo criação de despesas fictícias. Segundo o órgão, a fraude pode não ter se limitado à Bahia, já que as entidades investigadas possuem termos de parceria firmados com prefeituras de outros estados.

 

Após três dias de debates calorosos e disputa acirrada, neste domingo (1), o Congresso Estadual do PSOL, realizado no hotel Sol Barra, localizado na capital Baiana, elegeu Ronaldo Santos como o novo Presidente Estadual do partido na Bahia. O processo eleitoral contou com três candidatos que disputaram a nova Presidência: o sociólogo e professor da UNEB, Fábio Nogueira, candidato das correntes internas “Rosa Zumbi”, “Insurgência” e Movimento de Esquerda Socialista; a liderança e professor de Feira de Santana Jonhatas Monteiro, vinculado ao grupo “Ação Popular socialista” corrente composta também pelo vereador Hilton Coelho e Hamilton Assis; e o Secretário-Geral Ronaldo Santos, candidato do corrente “Somos Psol” .

Ronaldo Santos venceu o pleito com 123 votos contra 115 de Nogueira e 81 de Jonhatas Monteiro. Apesar da pouca idade, 35 anos, Santos é um dos fundadores do partido na Bahia. Em 2004, Santos e Reinaldo Martins ajudaram a fundar o psol baiano. O novo Presidente Estadual destacou que a gestão do partido nos próximos dois anos terá como prioridade as áreas rurais do Estado. Segundo ele, a valorização do interior será uma das principais marcas da nova diretoria executiva. “O meu objetivo é rodar a Bahia construindo seminários e cursos de formação política envolvendo as lideranças municipais para que o partido esteja presente politicamente em todas regiões atendendo às reivindicações e demandas dos diretórios municipais”, defendeu Ronaldo Santos.

A unificação da legenda em Salvador e futuras contribuições e apoio ao mandato do vereador Hilton Coelho são algumas das propostas da nova gestão. “ Vou apoiar Hilton para tentarmos fortalecer o partido em Salvador e encontrarmos possíveis soluções para os problemas que atingem a população soteropolitana”, frisou Santos.

 

Descontos de até R$ 7,5 mil para os servidores públicos estaduais em toda a rede de concessionárias Ford na Bahia estão entre os atrativos da parceria entre a montadora e o Clube de Desconto do Servidor, da Secretaria da Administração do Estado (Saeb), que acaba de ser celebrada como parte das comemorações pela passagem do Dia do Servidor Público. A informação foi divulgada pelo governador Rui Costa, na tarde desta segunda-feira (2), por meio de seu perfil oficial no Facebook (www.facebook.com/ruicostaoficial). "Eu tenho orgulho da equipe de servidores do Estado da Bahia. Como já disse em outras oportunidades: ninguém faz nada sozinho. A nossa equipe tem mostrado pra que veio. E tem meu total reconhecimento", disse Rui na rede social.

Os abatimentos, em vigor de 3 a 30 de novembro, irão permitir aos servidores adquirirem veículos como Ka, Ecosport, New Fiesta e Focus, entre outros. As condições de pagamento podem ser consultadas em um distribuidor Ford. As ofertas englobam qualquer forma de pagamento, incluindo os veículos que estão com taxa zero de financiamento, e se aplicam aos preços públicos em vigor na data da cotação (veja tabela abaixo). O Ka, por exemplo, hoje cotado a R$ 40.590,00 com os 7% de desconto acordados na parceria sairá por R$ 37.748,70. Já o Ecosport erá 9% de desconto (maior percentual entre todos os modelos), com o preço reduzido de R$ 65.900,00 para R$ 59.969,00.

A promoção inclui ainda Ka+, Focus Hatch 1.6, Focus Fastback 2.0, Ranger e Fusion, com 7% de desconto, e New Fiesta, com 5% de desconto. A lista com os valores também está no site da Ford (www.ford.com.br). No momento da compra, o servidor deve apresentar a documentação que comprove seu vínculo com o Estado. Para garantir a promoção, o veículo precisa ser faturado em nome do próprio funcionário. Os automóveis em oferta estão, ainda, sujeitos à disponibilidade de estoque.

Tabela de valores praticados no mês de novembro:

 

 

Veículo

Valor original

(de acordo com o site da Ford - 29.10.2015)

Valor com os descontos oferecidos pelo Clube

Ecosport

R$ 65.900

(9%) R$ 59.969

Ka

R$ 40.590

(7%) R$ 37.748,7

Ka+

R$ 43.590

(7%) R$ 40.538,7

Focus Hatch 1.6

R$ 69.900

(7%) R$ 65.007

Focus Fastback 2.0

R$ 77.900

(7%) R$ 72.447

Ranger (cabine simples)

R$ 80.500

(7%) R$ 74.865

Ranger (cabine dupla)

R$ 90.700

(7%) R$ 84.351

Fusion

R$ 108.400

(7%) R$ 100.812

New Fiesta Hatch

R$ 47.990

(5%) R$ 45.590,5

New Fiesta Sedan

R$ 58.790

(5%) R$ 55.850,5

 

 

Bahia Notícias

Nesta quarta-feira (21), prefeitos e secretários de mais de 300 municípios participaram de uma reunião na sede da União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador. O atraso no envio de recursos é um dos motivos de insatisfação dos gestores. Segundo o prefeito de Jacobina, Rui Macedo, está previsto corte de R$ 8 bilhões para a Saúde por parte do Governo Federal. O Governo do Estado, por sua vez, deve aos municípios R$ 29 milhões do Programa Saúde da Família (PSF) e R$ 15,8 milhões do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Além de repasses da Farmácia Básica. No evento foram discutidas saídas para o subfinanciamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Os prefeitos e secretários defendem ação na Justiça Federal contra a União, exigindo a garantia dos repasses que foram pactuados no SUS. Autor da proposta de judicialização, Macedo explica que a queda no financiamento por parte dos governos federal e estadual tem afetado serviços básicos de saúde. O prefeito teme que o atendimento de baixa e média complexidade realizado no município pelo Hospital Municipal Antônio Teixeira Sobrinho (HMATS) também seja afetado. A Presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde da Bahia (Cosems), Stela Souza disse que o Estado se comprometeu, na pessoa do secretário da Saúde, Fábio Vila-Boas, em regularizar as parcelas de 2014 do Samu e do PSF.

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) denunciou nesta quarta-feira (21), no plenário do Senado, em Brasília, a ocorrência de um incêndio supostamente criminoso nas margens da Lagoa de Itaparica, em Xique-Xique, no Norte da Bahia. De acordo com informações transmitidas para a senadora pelo professor Railton Nascimento, através das redes sociais, uma área equivalente a 100 campos de futebol foi devastada pelo fogo que consumiu centenas de árvores de carnaúbas nativas.

A parlamentar afirmou que vai encaminhar a denúncia à Secretaria Estadual do Meio Ambiente e ao Instituto do Meio Ambiente e solicitar a apuração dos fatos.

“Os vídeos e fotos feitos após o incêndio em Xique-Xique foram postados pelo professor Railton no Grupo SOS Rio São Francisco, no Facebook, e mostram os danos ecológicos e ambientais”, disse em plenário, alertando que a área reúne uma fauna importante para o bioma da caatinga, com caetitus, preás, veados e dezenas de aves migratórias como garças, marrecos, além de mergulhões, patos e até tuiuiús.

A extensão de carnaubal atingida pelo fogo faz parte dos 78 mil hectares de Área de Proteção Ambiental da Lagoa de Itaparica, estabelecida pelo Ministério do Meio Ambiente.

Da carnaúba extrai-se a cera, que serve de matéria prima para a produção de chips de telefones celulares, cosméticos e até para a indústria aeroespacial. Já frutos servem de ração animal, sobretudo nesta região onde a aridez é um traço marcante.