por Luana Ribeiro/ Bahia Notícias

Correligionários do presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Marcelo Nilo (PSL), que comanda a Casa há 10 anos, os deputados Manassés (PSL) e Alan Castro (PSL) aderiram na noite desta quarta-feira (25) à candidatura de Ângelo Coronel (PSD) ao cargo. “Ontem à noite me reuni com Manassés decidimos apoiar Coronel”, conta Castro, que apontou a “relação boa” que mantém com o senador Otto Alencar (PSD) como um dos fatores a definir a aliança. O congressista participou do encontro no qual foi firmado o apoio. De acordo com Castro, chegou a ser considerado o apoio a Luiz Augusto (PP), que também disputa a cadeira. “Votaria em qualquer um dos dois. Gosto muito de Marcelo Nilo, mas apesar de ser do mesmo partido, os eleitores tem me cobrado que já está na hora de mudar. Acho que temos que ser a caixa de ressonância da sociedade.

Está na hora de renovar, novas ideias novos projetos”, justifica. Nilo comanda a AL-BA há 10 anos. Outra razão mencionada por Castro é a vontade de ter mais proposições aprovadas na Casa. “Fui vereador, votei vários projetos, e fiquei frustrado porque não aprovei na Assembleia. Eu sou da base do governador Rui Costa, mas a gente fica frustrado de não poder legislar”, explica. Segundo o deputado, Nilo já foi avisado de sua decisão, ao ser convocado para um almoço nesta quinta-feira (26), e não crê que terá problemas em declinar do apoio ao atual presidente. “Da minha parte, não [haverá problema]. Ele é o presidente do partido, cabe a ele, se quiser, tomar alguma medida. Na verdade a questão partidária não entra nisso, são 63 deputados, a eleição é apartidária; o partido não tem nenhuma gerência sobre o voto. Estou no projeto do PSL, mas o desgaste [de Nilo] é muito grande, a opinião pública tem cobrado muito e a imprensa. Não quero ir para esse desgaste com os eleitores”, argumenta.